Psicóloga Danielle Carminatti

11 2695-1078  98450-6960 (whatsapp)

Atendimento Online  Guarulhos  Mooca

layout_edges.gif

A alta produtividade como máscara da depressão: 5 dicas de como aumentar a vitalidade

 

 

Colocar a vestimenta com sorriso e sair para o trabalho e produzir o dia todo, fazer cursos um atrás do outro, assistir séries e não se permitir parar. Muitas vezes, esvaziar a mente e viver em ócio, significa entrar em contato com o seu próprio vazio.

 

Alguém que nunca se permitiu ficar em silêncio por longos períodos e está sempre em busca do que fazer, o que leva a muitos comportamentos compulsivos, pode estar em um quadro de depressão.

 

O que leva alguém a camuflar seu vazio, pode ser uma inabilidade própria de como proceder mediante à descoberta deste, como também à pressão social de precisar se manter produtivo e consumindo coisas, produtos, serviços e pessoas.

 

Estamos atravessando um momento social ao qual grande parte das pessoas sentem que não podem ser elas mesmas, que deve-se encaixar em um padrão, ou estereótipo, ou mesmo em um grupo específico, o que acaba por influenciar em nossa liberdade de escolha.

 

Liberdade esta que não se trata apenas de fazer qualquer coisa que se quiser, mas sim, de poder se expressar livremente sem medo de julgamento ou de ficar fora de um padrão de comportamento desejável em seu ambiente familiar, social com amigos ou colegas de trabalho e conjugal. O próprio indivíduo se reprime e acaba por condensar sua energia que poderia ser criativa e expansiva, para dentro de si, causando muitas vezes a sensação de peso, como se tivesse sido sugado pela terra, o que o deixa imobilizado para sentir tanto a dor quanto o prazer de viver.

 

Reprimir a dor, faz com que esta pessoa perca o prazer de estar viva, a respiração diminui e passa a agir de forma automática, apenas para manter suas funções produtivas intactas, para continuar produtiva perante à sociedade.

 

Muitas vezes, você vive uma rotina intensa. Enfrenta congestionamento ou o transporte público todos os dias para ir ao trabalho. Toma um café todos os dias enquanto seu computador liga, cumprimenta seus colegas, inicia sua jornada até o fim do dia. Volta para casa e pega trânsito semelhante, transporte público lotado igualmente. Chega cansado física e emocionalmente. Mas ainda precisa brincar com o filho, dar atenção à família e veste novamente a máscara do “está tudo bem, eu consigo” e assim segue a vida. Sem satisfação real, apenas um comportamento autômato e seguindo o que esperam de você. Talvez você tenha se sentido cansado só de ler tudo isso.  Até que em algum um momento, algo acontece em sua vida, uma perda de alguém, um relacionamento que se rompe, você perde o emprego e tudo desmorona... Ou então, nada disso acontece de fato, exceto a sua própria exaustão desse comportamento repetitivo e que para você não tem nenhum sentido, mas o descontentamento, a tristeza e a angústia tomam conta e desencadeiam um colapso emocional e você “cai” em depressão.

 

Uso este termo “cair em depressão”, pois é o que o corpo faz. Ele se afunda em si mesmo. Passa a não expressar mais as sensações e não se revitaliza, ou seja, não completa o fluxo de carga e descarga de energia. Você não consegue sentir prazer em comer algo, ou fazer uma atividade física, ou ouvir uma boa música e se emocionar com ela, ou coisas que antigamente lhe davam prazer em fazer e que agora não tem mais sentido nenhum, não há vida...

 

Para que você volte a se sentir potente e vivo emocionalmente, dou abaixo 5 dicas de atitudes que você pode começar hoje para aumentar seu fluxo de energia vital:

 

Quer ter mais energia para encarar a vida.jpg

 

  1. Reflita sobre seu controle mediante da situação

Diante de uma situação difícil, reflita: Se isso que me causa angústia tem solução, então não se preocupe que a solução virá, ou você mesmo fará algo para solucionar aquilo. Se não tem solução, então não se preocupe pois nada do que fará mudará o resultado desta situação. O que precisa ficar claro aqui, é que é preciso manter o foco no presente, naquilo que está fazendo agora. Viver no passado com nostalgia ou olhar apenas para o futuro que ainda nem existe, aumenta a ansiedade e te tira do prazer de viver o momento presente. Não temos o controle das situações externas, mas podemos redirecionar nossos pensamentos para uma atitude mais neutra e até mesmo positiva em cada contexto. Não é fácil, exige treino e atenção, mas trará um enorme benefício se o fizer diariamente e com perseverança.

 

  1. Aumente a oxigenação corporal

A respiração é fundamental para te manter no aqui e agora. Enraizado em seus próprios pés. Veja o quanto sua respiração está escassa e curta. Tente aumentar o tempo de inspiração e expiração. Dê mais oxigênio ao seu corpo. Aumente os movimentos do seu fluxo respiratório.

Atividades físicas intencionais, ou seja, quando você coloca atenção a cada movimento que estiver fazendo e com foco na respiração, ajuda a movimentar a energia estagnada no centro do corpo e libera a sensação de vazio e pressão. Talvez no início você não sinta nada, que o seu corpo esteja tão desvitalizado que o exercício seja apenas mecânico. Insista! Leva um tempo para a energia voltar a circular normalmente.

 

  1. Chore, esperneie, coloque para fora

Qualquer expressão emocional é suficiente para se libertar da condição depressiva. Deite-se confortavelmente e inspire e expire profundamente e vá tomando consciência de sua dor, de seu vazio, e permita-se chorar. Pode ser que você tenha a sensação de que vai chorar para sempre, mas o seu corpo saberá seu limite. Confie em seu corpo. Você não chorará para sempre.

 

  1. Escreva, nem que for apenas para si mesmo

Outra opção é escrever tudo que vier à sua mente, fará com que você organize melhor os pensamentos e evite que eles fiquem girando em círculos. O que chamo de “pensamento ruminativo perverso”. São pensamentos catastróficos, que na maioria das vezes não tem fundamento e não fazem parte da realidade de fato, mas ficam sobrevoando e destroem a sua paz. E neste sentido, escrever é como uma profunda conversa consigo mesmo! Fazer um caderno de anotações como um diário, escrever um blog mesmo que com pseudônimo, digitar em um bloco de notas no celular ou em um arquivo no computador... Não importa! Nestes momentos, use o que estiver a seu alcance e, organizando o pensamento em escrita, você estará diminuindo ou estancando a ruminação, já que ela só existe quando os pensamentos estão confusos e desordenados. Assim, falando em metáforas, você coloca mais os pés no chão da realidade e desce da bolha dos pensamentos negativos.

 

  1. Busque sua liberdade

Por mais que pareça contra-intuitivo, assumir responsabilidade é a própria liberdade. Ser responsável pelos seus atos te dá a liberdade de ser quem você é. O medo da responsabilidade é falta de confiança em si mesmo. Às vezes pode surgir o pensamento de que se você tomar a responsabilidade de escolher e acabar percebendo que fez uma escolha errada, vai se sentir culpado por isso. Porém, reflita comigo: se você escolheu, é porque naquele momento você acreditou que seria a melhor opção. Agora sabendo das consequências, talvez você mudaria de opinião, mas sinceramente, como saber sem antes tentar? E outra, agora você já tem a experiência de ter passado por aquele caminho e ter dado errado, então a lição foi aprendida, agora você já tem maior maturidade para fazer uma nova escolha em uma situação parecida. Então assuma! Você fez sim o melhor que poderia ser feito para aquele momento com as vivências que você tinha. E ponto. Assuma agora que você tem capacidade e fará o que precisa ser feito. Isso liberta! Saber que qualquer escolha que fizer na vida vai te levar a um caminho diferente que pode ou não dar certo, mas que para aquele exato momento da escolha você teve os recursos para aquela situação, então não irá importar o resultado, você terá plenas condições de assumir a responsabilidade de ter escolhido. Tenha a liberdade de poder escolher e assumir as consequências, pois assim é a vida, feita de erros e acertos, mas todos levam a um grande aprendizado.

 

 

Obs.: Este texto não tem intenção de diagnóstico, tão pouco é uma solução definitiva para seus problemas. Se você desconfia que tem depressão, não hesite em consultar um profissional capacitado para lhe assistir.